Conteúdos científicos auxiliam profissionais da saúde na tomada de decisões

O Ministério da Educação (MEC) e o Ministério da Saúde (MS) lançaram na tarde de ontem, 29, a página eletrônica de pesquisa Saúde baseada em evidências para os profissionais de saúde. A iniciativa visa disponibilizar informações acadêmicas para que os profissionais da área possam fundamentar suas decisões, fornecendo atendimento de qualidade à população.

Por meio da página eletrônica os profissionais da saúde podem acessar conteúdos científicos, destinados à saúde baseada em evidências, que irão apoiá-los na prática clínica. As informações oferecem suporte para a realização de diagnósticos e a escolha do tratamento, entre outros procedimentos relativos a cada área de atuação. Assim, os profissionais poderão proporcionar melhores cuidados aos pacientes.

A iniciativa beneficiará cerca de 1,8 milhões de profissionais da saúde registrados nos respectivos conselhos de classe. “Estamos pegando o que tem de melhor na produção científica internacional, isso aqui é uma democratização da ciência”, afirmou o ministro da Educação Aloizio Mercadante.

Segundo Joaquín Molina, representante da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e Organização Mundial da Saúde (OMS), a página Saúde b aseada em evidências permite apoiar os profissionais em sua prática diária. Além disso, ele explicou que essa é uma ferramenta importante e necessária devido a seu caráter inovador, já que o Brasil é o primeiro país a implementá-la.

Os conteúdos estão disponíveis em seis bases de dados: Embase, Hospital Collection, Dynamed, Atheneu, Best Practice e Micromedex, escolhidas pelo MS após levantamento realizado junto a comunidades de pesquisadores da área de saúde. A disponibilização das bases foi possível por meio do Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES/MEC), que intermediou a negociação com os editores. Foram investidos R$10 milhões de reais.

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, ressaltou que só é possível ter resultado na área da saúde se houver investimento na formaçã o e na atualização dos profissionais. Ele defendeu que este é um processo contínuo e permanente. “Investir na qualidade desses profissionais é decisivo para oferecer uma saúde pública de qualidade. Esse novo instrumento pode fortalecer ainda mais a capacidade dos nossos profissionais de saúde”, concluiu.

Terão acesso ao conteúdo os profissionais das áreas de Biologia, Biomedicina, Educação Física, Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Fonoaudiologia, Medicina, Medicina Veterinária, Nutrição, Odontologia, Psicologia e Serviço Social. O primeiro acesso deverá ser feito pelo site do Ministério da Saúde.

Fonte: Fabrícia Carina Souza Araújo – http://periodicos.capes.gov.br

UFRJ Biblioteca HUCFF/IDT
Desenvolvido por: TIC/UFRJ